Agosto 01 2010

a partir do momento em que ditaste o derradeiro fim, prometi a mim mesma que já não eras parte da minha vida.

conscientemente, tu já não existias para mim, és apenas um rapaz que passou na minha vida e um dia teve que sair.

conscientemente, não penso em ti, não penso em nós e no tempo em que estivemos juntos, mas quando me sinto sozinha, pelas noites fora no escuro do mundo, no vazio da noite, no silêncio do tempo, recordo tudo.. as memórias voltam-me à mente, volto a sentir a tua mão na minha, volto a sentir o teu perfume a abraçar o meu, relembro os nossos olhares entrelaçados e quando dou por mim estou a chorar.

essas alturas custam-me muito, a saudade aperta muito e quase que me sinto com vontade de ir ter contigo e deixar tudo. mas, sei que já não o posso fazer..

agora, tens outra pessoa na tua vida, tens outro alguém que preenche os teus dias e te dá vontade de construir um mundo novo à semelhança do que sentes.

e fico feliz por ti, custa-me que já não sintas isso comigo, mas tenho de aceitar.

nada dura para sempre e o amor não é excepção, nem nós.

é verdade, cada vez que te sentia a partir custava-me muito. deixavas-me vazia,em branco, os papos nos olhos notavam-se bem e a dor também.

até que me habituei, era a minha rotina.

era como se andasses sempre em viagem, voltavas quando precisavas de mim e partias quando te sentias pronto a enfrentar o resto do mundo. sentia-me útil.

de vez em quando vinha a mágoa a entrar-me nas veias e a gelar-me o sangue. ao menos fazia-me sentir viva, com dor, mas viva.

habituei-me, praticamente, a gostar de ti e a queimar o ódio que devia sentir depois de tudo o que aconteceu.

apagar-te de mim e as marcas que foste deixando é que sempre foi impossível.

o sentimento de revolta na mistura com o amor, era de tal forma grande que impossibilitou o esquecimento.

fiz de tudo para tirar da minha cabeça, quebrei as promessas que te fiz, bebi vodka em noites vazias como uma esponja absorvente, tentei deixar-me envolver com outros rapazes.

mas nada resultou, tu ainda estavas lá, como um sobrevivente a tudo o que se passava na minha vida.

comecei a fingir que estava tudo bem, comecei quase a rir-me de mim e da minha dor. foram tempos difíceis, que me ajudaram a crescer e bastante.

sei que agora estou a distanciar-me de ti aos poucos, e que em breve vais ser apenas mais uma parte da minha vida.

sei que fomos importantes um ao outro e ainda temos, e sempre assim será, uma parte do coração um do outro.

entre nós vai sempre existir um espaço, uma incerteza de 'e se...?', mas tenho a certeza que tudo o que passámos vai deixar uma amizade grande e muitos momentos para nos rirmos um dia mais tarde.

és e sempre serás um grande amigo, gosto muito de ti.

 

 

 

 

 

 

 

publicado por por preencher às 00:57

Fevereiro 24 2010

 

escolhas.. na vida, há imensas escolhas, imensos caminhos por onde ir, demasiados, por vezes.. demasiado tempo.

quanto mais penso no que quero, mais dúvidas tenho. mais tenho a certeza que isto não é o melhor para os dois. e que não te posso fazer esperar mais tempo.

mesmo que não vejas isso, eu também sofro se tu sofres. porque somos amigos, e apesar de todas as incertezas, todas as dúvidas e todas as escolhas que tenho de fazer, tenho a certeza de uma coisa.

tu és especial para mim. não te posso dizer que te amo. mas tu não me és indiferente.

mas não te posso magoar da forma que te vou magoar. não posso dizer-te que te amo e não conseguir estar contigo, por causa das memórias.

mas não te quero dizer adeus, porque não é nada disso que sinto..

por isso, no final de tudo isto, resta apenas dizer-te faz o que achares melhor para ti.

eu vou apoiar-te, como tua amiga. e vou ouvir-te e compreender. mesmo que queira chorar ou voltar atrás. eu estou aqui  .

gosto muito de ti , L .

 

 

 

 

{ "Quando se ama alguém, tem-se sempre tempo para essa pessoa. E se ela não vem ter connosco, nós esperamos. O verbo esperar torna-se tão imperativo como o verbo respirar. A vida transforma-se numa estação de comboios e o vento anuncia-nos a chegada antes do alcance do olhar. O amor na espera ensina-nos a ver o futuro, a desejá-lo, a organizar tudo para que ele seja possível. É mais fácil esperar do que desistir. É mais fácil desejar do que esquecer. É mais fácil sonhar do que perder. E para quem vive a sonhar, é muito mais fácil viver." }

 

 

publicado por por preencher às 00:35

pretérito demasiado imperfeito
mais sobre mim
Outubro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

fim .

choices..

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO